Vicente García de Mateos vence em Oliveira de Azeméis

Carrocel, Estrada

Vicente García de Mateos vence em Oliveira de Azeméis

O espanhol Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé) ganhou hoje a oitava etapa da Volta a Portugal Santander Totta, sendo o mais rápido no sprint que decidiu os 159,8 quilómetros, entre Gondomar e Oliveira de Azeméis. Raúl Alarcón (W52-FC Porto) mantém a camisola amarela.

Vicente García de Mateos mostrou estar em crescendo de forma à medida que a Volta se aproxima do fim e triunfou com autoridade. Relegou Daniel Mestre (Efapel) para o segundo lugar e Marco Tizza (GM Europa Ovini) para o terceiro posto.

Mais importante do que a vitória na tirada, foi a bonificação conquistada, assim como o “corte” face a Raúl Alarcón e Amaro Antunes (W52-FC Porto). A camisola amarela segue no corpo de Alarcón, mas é uma liderança cada vez mais fragilizada. Vicente García de Mateos subiu à segunda posição, estando apenas a 14 segundos do compatriota. Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira) caiu um lugar, passando a ser terceiro, mas aproximou-se da camisola amarela, da qual está apenas a 19 segundos.

Luís Afonso (LA Alumímios-Metalusa BlackJack) e Egor Silin (RP-Boavista) foram os animadores de serviço na etapa deste domingo, escapando ao pelotão ao quilómetro 19. Os dois homens chegaram a ter uma vantagem superior a 9 minutos, mas a aceleração do pelotão, na luta pela classificação da montanha, aquando da escalada de segunda categoria em Gamarão, fez a diferença começar a cair. O esforço da Efapel, procurando que a etapa fosse discutida em pelotão, também contribuiu para que os fugitivos não tivessem a vida facilitada.

A iniciativa de Afonso e Silin acabou a 24 quilómetros da meta, numa altura em que o pelotão, comandado pela Efapel, já era bastante reduzido.

A 22 quilómetros do final, agitaram-se as hostes, a discussão das bonificações da última meta volante da jornada. Raúl Alarcón lançou o sprint intermédio para que Gustavo Veloso (W52-FC Porto) fosse buscar os 3 segundos do primeiro lugar. Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé) ficou com 2 segundos e Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira) conseguiu o segundo restante. García de Mateos procurou levar a iniciativa mais longe, mas Gustavo César Veloso, que lhe seguia na roda, recusou prestar colaboração, matando essa movimentação. Outras se seguiriam, mas não resultaram. Foi, pois, em pelotão que se discutiram as primeiras posições da etapa.

A Volta a Portugal está na reta final, faltando apenas duas etapas para a acabar. A última, na terça-feira, é um contrarrelógio individual. A penúltima, já nesta segunda-feira, é a etapa da serra da Estrela. Apesar de não terminar na Torre, a ligação de 184,1 quilómetros entre a Lousã e a Guarda inclui a passagem pela Torre, a 70 quilómetros do fim, um prémio de montanha de quarta categoria e quatro contagens de terceira, uma coincidente com a meta.