Pedrosa voa na Malásia

Pedrosa voa na Malásia

Carrocel, Velocidade

Pedrosa voa na Malásia

Os testes de pré-época 2018 do MotoGP começaram este domingo com Dani Pedrosa a colocar a sua Honda na primeira linha de tempos em Sepang, Malásia.
O piloto da Repsol Honda marcou no primeiro dia de testes um espectacular 1:59.427, a apenas 59 milésimas do melhor crono de Maverick do ano passado.

Parece que fez bem a Dani Pedrosa o reencontro com Alberto Puig na box da Repsol Honda. O ex-piloto, que o tricampeão tinha afastado do seu lado há algumas temporadas atrás, regressa agora como team manager da escuderia mais premiada do campeonato, ou seja, como chefe de Dani e Marc Márquez, e o profissionalismo de ambos impera já desde o primeiro dia, porque o piloto natural de Castellar foi o mais rápido na primeira jornada de testes de pré-época de MotoGP em Sepang.

O #26 apareceu por várias vezes nos primeiros lugares da tabela de tempos, reservando para o final duas voltas absolutamente colossais, ambas superando a barreira dos dois minutos. Desta forma, Pedrosa estabeleceu o melhor crono do dia com 1:59.427, um tempo a apenas 59 milésimas do registado, o ano passado, por Maverick Viñales como o melhor dos três dias de testes. De referir que Dani já tinha conquistado a pole no GP da Malásia do passado mês de Outubro, com 1:59.212.

Pedrosa não foi o único piloto capaz de se instalar no 1:59, porque Dovizioso e Lorenzo também o fizeram, terminando a 0.343 e 0.375, respectivamente. O resto da grelha já está nos dois minutos. O quarto foi Petrucci a 0.696 e atrás dele e para fechar o TOP10 deste primeiro dia ficaram Miller, Rossi, Márquez, Zarco, Crutchlow e Pol. Rins foi 11º, Maverick 13º mas de salientar que com muito bom ritmo, Aleix 14º, Rabat 15º e Bautista 19º que protagonizou uma queda que deu origem à aparição de bandeira vermelha mas, no entanto, voltaria por si próprio à box.

Os tempos de hoje foram rapidíssimos parece até que a festejar o regresso depois da habitual paragem de inverno, com os nove primeiros no mesmo segundo, apesar do inconveniente de não terem podido aproveitar em pleno as primeiras quatro horas devido ao estado da pista. O novo asfalto do traçado malayo, aplicado no ano passado e revisto recentemente, já não enxuga em vinte minutos como antigamente e agora são necessárias de quatro a cinco horas, o que em certas ocasiões pode ser desesperante para pilotos e equipas…

A destacar, à primeira vista, são o poderio técnico da Honda, com Márquez e Pedrosa a trabalhar com três motos cada um na box; a nova carnagem Yamaha, o trabalho da Ducati a comparar o seu protótipo 2018 com o de 2017 e a constante evolução da KTM. Entre os pneus de chuva e os slick que a Michelin levou para Sepang, destacam-se dois compostos novos em relação ao contingente disponível com base nos pneumáticos de 2017.

Photo: FAZRY ISMAIL