Menzies fica com o quinhão do leão

Menzies fica com o “quinhão do leão”

Carrocel, Destaque, Noticias, SilkWay Rally

Menzies fica com o “quinhão do leão”

Foi o americano Bryce Menzies e o seu co-piloto Peter Mortensen (Mini John Cooper Works n°105) quem venceu a especial de hoje e pela primeira vez nesta edição. Exactamente a 7ª etapa do Silk Way Rally 2017, mesmo antes da caravana do rally atravessar a fronteira entre o Casaquistão e a China. Nos camiões, foi o líder da classificação geral, o russo Dmitry Sotnikov (Kamaz-Master n°303), quem averbou pela segunda vez uma vitória ao vencer nesta pequena mas poeirenta etapa de 106 quilómetros de extensão.

  • O sétimo dia do Silk Way Rally foi, na verdade, a Etapa mais curta em termos da distância total percorrida, com apenas 412 km, com zonas de navegação difícil na secção cronometrada de 106,6 km. Após a Etapa, os concorrentes passaram do Cazaquistão para a China, país onde o rali terminará no final da próxima semana.
  • À chegada, o “Dream Team” Peugeot comemorou mais um duplo pódio, com Cyril Despres/David Castera a cortar a meta no 2º lugar, apenas a 1m31s do vencedor, e Sébastien Loeb/Daniel Elena no 3º posto, a 1m37s.
  • O Peugeot DKR Maxi de Sebastien Loeb continua a comandar a prova com pouco mais de 1h de avanço sobre o Peugeot DKR Maxi de Cyril Despres, enquanto a dupla Stéphane Peterhansel/Jean-Paul Cottret continua a evoluir na geral, sempre preparada para desempenhar um papel fundamental na estratégia da Peugeot, ou seja, ajudar os seus colegas de equipa.

T2 category:

Chernenkov fez as honras

Depois de uma certa discrição na sua participação face a Muira e DiLallo, foi a vez de Chernenkov de vencer a classe – uma bonita forma de o piloto do casaquistão se despedir do seu país. Entregou a carta 20 mins antes do seu adversário australiano que ainda assim, por sua vez, mantém uma margem muito confortável na classificação geral.

Camiões:

Uma etapa curta para os camiões com o líder, Dmitry Sotnikov (Kamaz-Master n°303) a rubricar nova vitória ao marcar uma velocidade média de 96 km/h. Isto apesar de, segundo a opinião do conselheiro do Silk Way Rally, Luc Alphand, que abriu a pista esta manhã 2 horas antes do primeiro concorrente partir, o terreno não estaria propicio a trajectórias mais “afoitas”. Com Shibalov, Mardeev e Nikolaev na peugada, o Kamaz-Master teve de dar o seu melhor. Quinto na etapa mas a apenas 2m34s de Sotnikov, o checo Martin Kolomy (Tatra Phoenix n°311), atacou forte na pista de hoje para se aproximar do topo da classificação e acabou o dia na terceira posição, com 15m27s a separá-lo do líder e a menos de 13 minutos de Shibalov.

A ETAPA EM RESUMO

Os concorrentes arrancaram bem cedo para uma etapa curta que marcou a passagem para a China, depois de cumprido o troço cronometrado caracterizado por pistas de terra com piso macio e arenoso, vegetação em ambos os lados da estrada, alguns animais como espectadores e muita, muita poeira. Isto tornou a navegação particularmente complicada, pois foi muito difícil encontrar a pista certa apenas com contacto visual. Stéphane Peterhansel, o primeiro a partir depois de ontem ter dominado os acontecimentos, optou por esperar pelo seu colega de equipa Sebastien Loeb, que foi o segundo a arrancar, de forma a poder ajudá-lo ao longo de toda a Etapa. Como sempre, o Silk Way Rally tem tudo a ver com trabalho de equipa.

Sébastien LOEB, piloto Team Peugeot Total

3º lugar na Etapa / 1º da Geral:

“Estive na frente durante uma boa parte da Etapa, por isso não apanhei poeira. Por outro lado, tive de me concentrar bastante para encontrar o caminho certo e não sair do percurso. Ou seja, uma coisa acabou por compensar a outra. Já para o final da Etapa, tudo correu bem para nós. Como era uma etapa muito curta o mais importante era fazer uma condução limpa e tentar não cometer quaisquer erros. Foi também graças ao bom trabalho do Daniel que o conseguimos, pelo que estou bastante satisfeito com a nossa performance de hoje.”

ANTEVISÃO DA 8ª ETAPA

O percurso do oitavo dia é, mais uma vez, relativamente curto, pelo menos para os padrões do Silk Way Rally, com uma distância total de 436,34 km, dos quais 250,37 km cronometrados. Porém, é uma etapa muito aguardada porque conduz os concorrentes para o Dia de Descanso em Urumqi, ao cabo de uma semana inteira de competição. As características do percurso são semelhantes às do dia anterior, com a poeira sempre presente, tornando-se mais complexas mais para o final, onde serão necessários elevados dotes de navegação. Vão aparecer também enormes valas e buracos pelo caminho, pelo que as equipas terão de redobrar a atenção. Vai ser preciso estar ainda mais atento às notas de perigo assinaladas no road book.