Ciclismo em protesto contra a duplicação de custos no policiamento

Ciclismo em protesto contra a duplicação de custos no policiamento

Carrocel, Estrada

Ciclismo em protesto contra a duplicação de custos no policiamento

Realizou-se no Dia de Portugal uma acção de protesto promovida pela Associação de Ciclismo do Minho no decorrer do Prémio de Ciclismo “Força Minho” para a categoria Cadetes e Juniores. Em protesto, os ciclistas muniram-se de ruidosos apitos, durante a partida simbólica no centro de Guimarães, manifestando o desagrado da modalidade pelo aumento dos custos com o policiamento de provas de ciclismo, provocado pela duplicação dos meios de segurança envolvidos no acompanhamento das provas, a que acresce o excessivo número de agentes nomeados para as provas na via pública e que, no caso concreto, ultrapassou de forma inédita o número de ciclistas presentes.

Segundo a Associação de Ciclismo do Minho, o Prémio de Ciclismo “Força Minho” disputado hoje teve mais agentes da autoridade do que ciclistas: 56 jovens atletas, 59 agentes e 18 viaturas da PSP e da GNR.

“Estamos solidários com toda a comunidade e com a causa aqui manifestada” reconheceu Delmino Pereira, presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo. “A FPC já expôs a sua posição junto do Secretário de Estado da Administração Interna, sugerindo que o destacamento eventual de trânsito para as provas ciclismo fosse desempenhado por uma única força de segurança, da partida à chegada, independentemente da área territorial de cada força. Infelizmente, temos vindo a assistir, com frequência, a esta nova e inédita forma de criação de dois destacamentos eventuais de trânsito para uma mesma prova, provocando uma duplicação desnecessária de meios humanos e logísticos. Essa duplicação de custos é acrescida de uma perda de eficiência na qualidade da segurança prestada aos ciclistas e à população no decorrer das provas. Esperamos uma posição do Ministério da Administração Interna no sentido de se clarificar a melhor e, mais sensata, forma de organização do serviço de policiamento em provas de ciclismo. A nossa modalidade pratica-se na via pública e teremos sempre de organizar as nossas actividades numa total e boa colaboração com as forças de segurança”, acrescentou o máximo responsável pelo ciclismo português.